Archive for junho, 2011

Rádio Corporativa: a voz dentro das organizações

Por Tibério Rodrigues

Pessoas, eventos, cultura, arte, notícias e negócios… Muitos são os elementos que fazem parte do universo organizacional de qualquer empresa, e a Comunicação tem um importante papel de planejar e viabilizar a construção de veículos dinâmicos, que despertem a atenção e participação dos funcionários.

A rádio corporativa é um exemplo desse modelo de ferramenta extremamente dinâmica, e que, aos poucos, está se tornando uma realidade presente no cenário das empresas brasileiras. Segundo uma pesquisa realizada no primeiro semestre de 2011 pela Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), o veículo está em 3% das 164 maiores empresas em faturamento do país. O número ainda é pouco expressivo, mas deve sofrer alterações positivas com o aprimoramento constante das novas tecnologias e a internet.

Disponibilizar um programa em podcasts, que podem ser executadas a qualquer hora do dia, é uma forma inteligente de utilizar essa ferramenta, quando a maioria dos funcionários possui acesso ao computador com internet. Já em um ambiente onde há a predominância de pessoas em constante circulação, a instalação de caixas sonoras automatizadas se configura como uma necessidade, por exemplo. Desse modo, é preciso relativizar a necessidade de cada organização, pois são formas e cenários organizacionais diferentes.

Foto: Carlos Cecconello/Folhapress

De uma forma mais tecnológica, pela internet, ou de outra mais tradicional, por meio das caixas acústicas, ambas se configuram como veículos indispensáveis quando pensamos em inovação e comunicação dinâmica. Alinhar referências musicais, por exemplo, com um pensamento ou conceito institucional aproxima a realidade do funcionário com a da organização.

Pensando nesse veículo, a empresa tem a possibilidade de proporcionar aos seus funcionários uma programação bastante variada com música, publicidade institucional, promoções, novidades, comunicados institucionais, notícias, informações de interesse público e eventos relacionados ao universo de atuação da empresa.

A rádio corporativa deve ainda abordar conteúdos de entretenimento, mas com informação relevante, que seja importante para o negócio da empresa, e que mexa com as pessoas, isto é, consiga aperfeiçoar os resultados de trabalho, e integre-as dentro dos assuntos institucionais de uma forma rápida e interessante.

Portanto, ela é mais uma ferramenta disponível para a Comunicação utilizá-la em sinergia com todos os outros veículos, a fim de reforçar a identidade organizacional e perpetuar os valores e negócios que fazem parte do universo da empresa, de um modo descontraído e dinâmico, que aproxima a realidade do funcionário com a organização.

Conheça o exemplo da Viapar, Rodovias Integradas do Paraná, empresa que entendeu a importância desse veículo e o integrou em seu planejamento de Comunicação Institucional:

Anúncios

29/06/2011 at 14:37 2 comentários

Starbucks: um exemplo de relacionamento

Por Gabriela Bacarin

A Strabucks é a maior franquia de café do mundo e é muito conhecida pela valorização e investimento no relacionamento com o seu público interno e com os consumidores. Depois de passar por um momento instável, ela resolveu se aproximar ainda mais dos seus públicos e entender melhor o seu cenário naquele momento. A fim de melhorar o seu negócio, a Starbucks foi ouvir o que o seu público tinha a dizer sobre ela e quais os aspectos positivos e negativos que influenciavam a marca.

Então, em outubro de 2008 a Starbucks criou um canal onde as pessoas poderiam deixar suas ideias e sugestões para a melhoria do negócio da empresa. É o site My Starbucks Idea, um canal de comunicação online aberto para as pessoas deixarem sua opinião em relação à empresa, seus produtos, serviços, atendimento. Este site é tanto para os consumidores como também para o público interno da Starbucks, que está inserido nesse projeto de forma estratégica, contando com cada funcionário para a melhoria do Starbucks. Cada departamento possui um representante que tem a responsabilidade de selecionar as melhores ideias sugeridas por outros funcionários da área de atuação no site e implementá-las no negócio da empresa. Isso gerou no público interno o sentimento de ser parte integrante no processo de criação, decisão e escolha dos negócios da Starbucks.

Um grande exemplo desse projeto é dado por Chuck Davidson, funcionário da Starbucks, que foi o responsável por desenvolver e colocar em prática a ideia de oferecer um cartão fidelidade aos clientes da cafeteria, sugestão de um cliente em agosto de 2008. Chuck Davidson acompanhou comentários no site, se dedicou ao desenvolvimento do produto e o lançou por meio de posts no blog do site.

Não há restrição de participação no site e muito menos é um ato obrigatório. Os acessos ao site só aumentam, são mais de 250 mil usuários ativos que apóiam ideias e dão suas sugestões. Somente uma marca muito amada e que cria vínculo com seus públicos consegue tal resultado e forte engajamento por parte dos funcionários e clientes.

Dentro de um mercado tão complexo e cada vez mais exigente, a Starbucks mostrou que cresceu por saber compreender seus públicos, suas demandas e atender às suas diversas necessidades, além de enxergar a oportunidade que o meio digital oferece a ela e saber usufruir dos seus benefícios. Dessa forma, a empresa consegue criar vínculo e integração entre os funcionários, clientes e a marca, mostrando sua imagem positiva consolidada e o quanto é amada e respeitada por seus públicos.

16/06/2011 at 19:30 Deixe um comentário

O Nosso Papel na Sustentabilidade

Por Tamires Vianna

O conceito de sustentabilidade nunca esteve tão presente em nossas vidas como nos dias atuais e as empresas já tomaram ciência da necessidade de terem atitudes sustentáveis, até como um diferencial no mercado. Mas de nada adianta as empresas investirem seu capital em ações sustentáveis se essa prática não começar “dentro de casa”.

Grandes empresas já estão elaborando campanhas para promover a sustentabilidade de “dentro pra fora”, como o Santander, por exemplo. O treinamento de funcionários é o grande responsável para aplicar os projetos sustentáveis do banco, assim a empresa sempre realiza cursos e workshops com toda a equipe. Só depois de apresentados aos colaboradores, os programas são colocados no site da organização para todos os internautas terem acesso construção de imóveis sustentáveis, com teto solar, madeira reflorestada e economia de água.

O Grupo Totalcom, de agências de publicidade, também abraçou a idéia. A equipe de comunicação vem distribuindo uma série de mensagens pelas empresas da companhia para conscientizar seus funcionários a respeito de práticas de sustentabilidade no ambiente de trabalho. Frases como “Se a reunião estiver cansativa, não desconte no papel” ou “Às vezes uma boa idéia é uma luz apagada” foram pregadas em adesivos, cartazes de banheiro, pesos de papel, além de um grande painel que fazia um convite aos colaboradores para assinar um pacto muito bem-humorado em prol da sustentabilidade, com mandamentos como “não seja eco-chato, nem eco-alienado”.

Essa estratégia de comunicação interna contribui tanto para conter gastos internos, quanto para ajudar nosso planeta. Os profissionais de agências do grupo também ganharam kits com ecobags, camisetas com material reciclado, folder explicativo e edições do Livro Verde – com dicas de preservação ambiental – para a equipe.

Ser sustentável hoje em dia é essencial para as empresas, até mesmo para manter uma boa reputação e servir como referência e exemplo para a sociedade. Nada melhor do que funcionários engajados no objetivo da empresa para o sucesso de uma ação como essa.

A O2 filmes criou um Vídeo institucional para o Unibanco que satiriza as dificuldades de implantar uma campanha de sustentabilidade junto aos funcionários. Se você está passando por isso na sua empresa, vai dar boas risadas. Confira o vídeo no link  http://www.dailymotion.com/embed/video/x9p59i

07/06/2011 at 17:36 Deixe um comentário

Motivação, o desafio da comunicação interna.

Por Juliana Trevisan

Em diversas pesquisas realizadas com os funcionários de inúmeras organizações, a falta de motivação aparece como 2º lugar. É fundamental ressaltar que respostas não condizem com o quesito salário, e sim com a falta de feedbacks positivos ou até mesmo negativos de seus gestores. Muitas vezes os chefes não possuem um treinamento adequado para aplicar um feedback, o que causa maior conflito na produtividade do funcionário.

Este ponto acaba sendo uma grande dificuldade para a comunicação interna, pois esta atividade está inteiramente relacionada ao trabalho da área, onde devem investir em treinamentos para que saibam se o funcionário está motivado e, caso não esteja, aplicar um plano de comunicação para o desenvolvimento imediato, para que a organização e o funcionário caminhem juntos ao sucesso.

A aplicação de treinamentos pode parecer simples, mas não é, tendo em vista inúmeros fatores pessoais do funcionário, seus valores, crenças e cultura acabam sendo uma barreira para a empresa desenvolver esta motivação em sua jornada diária de trabalho. Cabe então ao condutor estabelecer critérios que permitam esta aproximação para o desenvolvimento motivacional, que na realidade deve ser implantada assim que o funcionário chega para seu primeiro dia de trabalho. A comunicação interna é um ambiente que agregar de forma ativa a cultura da empresa, criando um vínculo mais intenso para impedir que esses profissionais fiquem por um curto período na organização, é necessário que exista transparência, apoio da liderança, mensagens de via dupla e ferramentas de canais de comunicação, a administração deste processo deve ser centralizada na área de comunicação interna. Assim, mantendo um bom profissional motivado onde possa participar dos processos, obter conhecimento dos valores organizacionais e ainda ser reconhecidos pela liderança.

03/06/2011 at 13:50 Deixe um comentário


Tópicos recentes